Resenha – Nossas Noites (Kent Haruf)

Sinopse:

Em Holt, no Colorado, Addie Moore faz uma visita inesperada a seu vizinho, Louis Waters. Viúvos e septuagenários, os dois lidam diariamente com noites solitárias em suas grandes casas vazias. Addie propõe a Louis que ele passe a fazer companhia a ela ao cair da tarde para ter alguém com quem conversar antes de dormir. Embora surpreso com a iniciativa, Louis aceita o convite. Os vizinhos, no entanto, estranham a movimentação da rua, e não demoram a surgir boatos maldosos pela cidade. Aos poucos, os dois percebem que manter essa relação peculiar talvez não seja tão simples quanto parecia. Neste aclamado romance, Kent Haruf retrata com ternura e delicadeza o envelhecimento, as segundas chances e a emoção de redescobrir os pequenos prazeres da vida que pode surpreender e ganhar um novo sentido mesmo quando parece ser tarde demais.

O que eu achei:

Ganhei esse livro de uma parceria com a Campanhia das Letras e confesso que ao terminar a leitura meu pensamento era: que bom que ganhei, pois só o tivesse visto em uma livraria não compraria e teria perdido a oportunidade de ler essa história.

O mesmo aconteceu comigo com A Febre do Amanhecer, também presente da parceria do blog com a mesma editora. E bom, isso deve significar alguma coisa, pois em poucos meses aconteceu duas vezes!

Nossas Noites é uma história bem simples, mas cheia de questionamentos e inquietações. Viúva e cansada da solidão, Addie faz uma ousada proposta para Louis, um de seus vizinhos também viúvo: que eles passem a dormir juntos. Addie está cansada de viver em uma casa, que já esteve cheia de gente, sozinha. Ela quer alguém com quem conversar a noite, e alguém que esteja lá quando ela acordar. E nesse arranjo um tanto quanto polêmico, Addie e Louis constroem uma forte amizade, sem se preocupar nenhum um pouco com o que os filhos ou os vizinhos irão dizer.

O bom-humor, o desprendimento, a vontade de viver e aproveitar o que resta da vida, mesmo quando os alertas vão chegando de todos os lados sobre a finitude dela, são as melhores coisas dessa história. Addie quer viver, quer ser feliz mais uma vez, quer aproveitar o tempo que lhes resta. Louis não vê muito propósito nisso, mas acaba embarcando na ideia pois também se sente muito sozinho. E juntos eles descobrem o quão pouco sabem da vida um do outro e como mesmo sendo vizinhos durante anos, não sabiam de quase nada do que acontecia dentro da casa do outro.

Mas se a história é cheia de momentos reflexivos que nos deixam encantados pelos protagonistas, a escrita é um pouco prejudicada por sentenças descritivas que eu considero um tanto quanto desnecessárias, são umas coisinhas bobas que acabam tornando a leitura um pouco entediante em certas partes, mas nada que tire o brilho da história.

Se você não for muito chegado a livros soube que existe uma adaptação para cinema, com o mesmo nome, disponível no Netflix, ainda não assisti, mas pelas informações parece ser bem fiel a história e ao final do autor.

 

Nota: 4/5

 Onde encontrar:
Skoob

Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook
Siga nosso Instagram: @literaturapessoal

Comments

comments