Carta para Ana

Ana Oliveira

Ana,

É por falta de coragem pra falar que lhe escrevo. Ando cansado das suas mentiras, do seu jeito hostil de revidar o que eu digo como se todas as minhas frases fossem acusações severas de traição. Na verdade Ana, não é falta de coragem é desânimo. Eu já vi esse filme, já vi em várias épocas, o vi ser adaptado do cinema mudo, quando eu enxergava tudo e não dizia nada e só ia guardando, afundando dentro de mim, Deus sabe lá onde, toda a mágoa, até o dia que eu disse chega. E chegou. Já vi esse filme bem colorido cheio de efeitos sonoros, de estardalhaços de brigas, quando eu resolvi que dizer tudo o que eu sinto e penso era o certo. Tolice Ana, dizer tudo o que pensa e sente não é ser sincero, não é ter grande personalidade ou gênio forte, é ser estúpido.

Entenda Ana, que se agora eu me acalmo e te digo e questiono eu não quero descobrir nada. Eu já sei. Não há nada pra ser descoberto, nem encoberto.  O que eu tento agora é criar um romance calmo, em tons de nude que vez ou outra explodem em cores neons e que fazem a primavera querer ser verão depressa. Porque como disse Clarice certa vez, agora, Ana, eu to vivendo “um amor mais realista e não romântico: é um amor de quem já sofreu por amor”.

Então fica combinado assim, eu guardo essas minhas frases. Eu invento um novo jeito de lidar com tudo isso. Não vou me sentir no direito de fazer o mesmo como você. Mas entenda Ana que essa invenção pode falhar e se você não for capaz de mudar pequenas coisas por mim, terá de ser capaz de me perder.

E não esquece Ana, eu amo você, de uma forma tão doída e tão grande que eu não ligo que você elogie outros caras ou dispense tanta atenção a eles quanto a mim, que se despeça de mim, mas ainda reserve tempo pra dar conversa a eles, espero hoje, não mais que isso –  porque não sou desses caras de exigir demais por saber bem do meu valor – que nessas conversas você se lembre sempre de mim e que entre um elogio e outro eu possa ser o mais elogiado.

Com amor,

Marcos

Comments

comments

9 Comment

  1. Bruno Scopel says:

    Ana, sua puta. 🙁

    ohieaoiheahoiaheoihoieahoieahioheioa

    Belo texto amor, algumas partes muitas pessoas se identificarão, como sempre x)

    te amo demais =**************
    gatiiiiiiiiiiiiiiiiiiinha 😉

  2. SENSACIONAL! Sério. Adorei. Putz! Adorei!

  3. Já me identifiquei de prontidão, Bruno! o/
    Como sempre, mesmo…

    O negócio tá fértil pros seus lados… Me dá um pouco dessa água! hauahuahaua

    Sua forma de escrever é ótima de ler. Continue trabalhando nesse estilo, que eu adoro! Clarice! =D

    Beijos, e que venham mais textos!
    =****

  4. Se essa carta tivesse aparecido 2 anos atrás eu a teria enviando pra um ex meu. =D

  5. Oi, não sei como vim parar aqui, mas gostei.

    Gostei de como escreve e dos quadrinhos também, hehe.

    Um beijo!

    Tais

  6. ah que bonito, apaixonada, só escrevendo mesmo pra colocar pra fora o que queremos dizer e não temos coragem.
    ah resolvi passar aqui te achei por uma busca em uma imagem no Yahoo e resolvi comentar.
    bjs *-*

  7. Ah, que gracinha! Lindo! Adorei!
    Beijos 🙂

  8. Muito bom!
    Vc é uma ótima escritora
    =D

    Tem dois blog né?!
    agora que me toquei…rsrs

    Bjos…

  9. Poxa, lembrei da música “Refrão de bolero”…a qual amo loucamente!

    Palmas pra ti pelo belo texto!

    Beijos!

Comentários fechados.