Resenha – 1984 (George Orwell)

1984 George Orwell

Sinopse:

Romance distópico clássico do autor britânico George Orwell. Terminado de escrever no ano de 1948 e publicado em 8 de Junho de 1949, retrata o cotidiano de um regime político totalitário de modelo comunista. No livro, Orwell mostra como uma sociedade oligárquica é capaz de reprimir qualquer um que se opuser a ela.

O romance tornou-se famoso por seu retrato da difusa fiscalização e controle de um regime coletivista-socialista na vida dos cidadãos, além da crescente invasão sobre os direitos do indivíduo. Desde sua publicação, muitos de seus termos e conceitos, como “Big Brother”, “duplipensar” e “Novilíngua” entraram no vernáculo popular.

De facto, 1984 é uma metáfora sobre o poder e atuação dos regimes comunistas, Orwell o escreveu animado de um sentido de urgência, para avisar os seus contemporâneos e às gerações futuras do perigo que corriam, e lutou desesperadamente contra a morte – sofria de tuberculose – para poder acabá-lo.

1984 George Orwell

O que eu achei:

Comecei esse livro com o grande fardo de quem precisa apreciar uma obra, caso contrário pode sofrer represálias.

Não que isso de fato aconteça, provavelmente só na minha cabeça mesmo, mas 1984 é um livro tão elogiado e tão querido por tanta gente, que eu já comecei meio mal com medo de não acabar bem.

No início tive a sensação de que o conteúdo de George Orwell era demais pra mim, que eu não ia entender a história, que iria me perder, foi uma sensação meio que de fracasso, sabe? Talvez eu estivesse cobrando demais de mim mesma, era como se precisasse tirar algo profundo de cada página desse livro.

Quando a sensação de fracasso foi crescendo, eu resolvi relaxar, tirar o peso de “clássico” que este livro carrega e fazer o que eu AMO: somente ler. Sempre uma sábia decisão, pois: que melhora meus amigos!

1984 George Orwell

A partir do momento que eu aceitei ler o que Orwell tentava contar, sem necessariamente destrinchar o significado de cada palavra, tudo fluiu muito melhor e no fim o livro acabou realmente sendo uma das melhores leituras que já fiz.

Se você, assim como eu, leu a sinopse que coloquei ali em cima e ficou: regime político totalitário de modelo comunista? sociedade oligárquica? regime coletivista-socialista?

confuso

Relaxa! A história é auto-explicativa e mostra uma realidade que, num primeiro momento, parece absurda, mas aí é que a mágica acontece, quando você começa a fazer as pequenas ligações e notar as similaridades, talvez, a gente não viva uma realidade tão diferente assim. Salva as devidas proporções, é claro! Mas com o decorrer da leitura é como se alguma nuvenzinha saísse da frente dos seus olhos, você começa a enxergar com clareza todas as críticas que autor queria fazer, isso em 1949!!!

Mas vamos com calma, que essa resenha provavelmente vai ficar grande!

1984 George Orwell

Em uma revisão rápida daquelas aulas de história, que pelo menos para mim ficaram perdidas muitos anos atrás, Socialismo é uma doutrina política e econômica que se caracteriza pela ideia de transformação da sociedade através da distribuição equilibrada de riquezas e propriedades. Até aí, nem uma novidade, mas o sistema implantado pelo “Partido” em 1984 (que aliás refere-se ao ano em que a história está sendo narrada), é uma espécie de falso socialismo, com uma imensa dose de totalitarismo.

As pessoas vivem de forma padronizada, cada indivíduo tem um papel a cumprir na sociedade e para o bem dela, não existe variedade de produto no mercado, o que é consumido, desde roupas, produtos de higiene e limpeza, até comida, passam por uma única empresa fornecedora, ou seja, o direito de escolha básico já foi podado.

Por trás do Partido, está o “Grande Irmão”, ou num nome que provavelmente vai gerar mais identificação: o Big Brother, que é o líder máximo do Partido, o homem que ilustra as campanhas, e ele faz exatamente o que o famoso reality show propõe: O grande irmão está de olho em você.

1984 George Orwell

Isso mesmo, você aí cidadão comum, que acorda vai pro trabalho, paga suas contas e não faz “nada demais”. Em cada casa existe uma teletela, que é basicamente uma TV que, além de ser usada para transmitir obrigatoriamente a programação do partido, é um dos meios de espionagem e controle utilizados pelo governo, pela teletela o partido não apenas te vê, como também te escuta, vigiando todos os seus passos e reações, dentro da SUA CASA! Meio atemorizante, né?

O Grande irmão está, DE FATO, de olho em você. O livro mostra como um regime totalitário usou de propagandas e marketing para criar uma aura de medo e insegurança, que apesar de ser percebida por alguns, como é o caso do nosso protagonista, é aceita e levada como normal pela maioria.

Aliás, Winston, o protagonista, é um membro do partido que trabalha para o Ministério da Verdade, cujo trabalho é basicamente contar mentiras, ou melhor, alterar a história conforme as necessidades do partido. Winston é responsável por modificar os registros históricos sobre variados assuntos. Tudo o que já foi registrado em livros, revistas, jornais e etc, de acordo com o que o Partido acha necessário.

1984 George Orwell

Obviamente, Winston sabe que algo está errado, ele percebe que seu trabalho acaba influenciando nas memórias e lembranças da população, pois se você se lembra que algo aconteceu, em uma guerra por exemplo, mas todos os jornais e veículos dizem que aquilo foi diferente, ou simplesmente não aconteceu, então você provavelmente se enganou, não é mesmo?

O acesso a informação é extremamente controlado pelo partido, que cataloga e proíbe filmes, livros e tudo o mais que considera “corruptivo”, o que basicamente quer dizer: que passe uma ideia diferente daquela propagada pelo Grande Irmão.

Outro ministério muito interessante do livro é o Ministério do Amor, que está longe de ser um grupo de pessoas religiosas e felizes, tratando-se na verdade da polícia do partido, que tortura, mata ou desaparece com as pessoas que vão contra o governo.

Existem tantas, mas tantas referências incríveis nesse livro, que parece que você nunca vai parar de pensar nelas ou de escrever sobre elas.

É tudo meio que o contrário, sabe? Utilizando palavras positivas para convencer a população de que os acontecimentos estão corretos. O maior exemplo de todos é o tema do partido:

Guerra é paz
Liberdade é escravidão
Ignorância é força

A primeira vez que eu li isso, eu fiquei: WHAT?

É desesperador como as pessoas podem ter comprado essas ideias. Se compraram, né? Provavelmente muitas foram apenas forçadas a acreditar. Os diversos artifícios que o Grande Irmão usa para controlar o povo são sufocantes. Você não está seguro nem mesmo sozinho com seus pensamentos.

Outro momento pertubador do livro também são os chamados Dois minutos de ódio, quando diariamente uma propaganda exalta o Partido, o heroísmo do Grande Irmão que salvou o povo. Empresas param o trabalho, pessoas param nas ruas e observam, reagem, gritam, este é o momento de extravasar o ódio contra a história contada sobre o passado e idolatrar o Grande Irmão que salvou o povo, são esses momentos que tanto assustam e incomodam Winston, mostrando como a cegueira da adoração a um político/partido pode ser perigosa.

1984 George Orwell

Mais alguns exemplos dessa nova sociedade: a implantação de um novo vocabulário, o “Novafala”, que por trás de uma máscara bonita de querer simplificar e facilitar a comunicação, na verdade pretende apenas limitar o poder de argumentação e pensamento de uma pessoa.

O perigo do duplipensamento, o instinto de sobrevivência para aprender a disfarçar sua própria opinião, pois não serão tolerados aqueles que pensam diferente do partido.

1984 George Orwell

Não vou me ater a trajetória do protagonista, pois acredito que ela deve ser parte da sua experiência como leitor, é através dela que você irá entender o funcionamento do Partido e a vida da população. Quando Winston descobre que de fato existe uma revolução contra o partido ele dá um passo perigoso para o seu futuro e o resultado de suas ações dão um nó no estômago.

1984 te coloca em uma posição de desconfiança total, é uma leitura tão rica e esclarecedora que por muito tempo vai se manter viva na sua memória te levando a diversas reflexões sobre passado, presente e futuro.

O medo do início foi dissolvido e eu acabei encontrando em 1984 uma excelente leitura, ou como se diria em novafala, uma duplimaisboa leitura. 😉

Nota: 5/5

Onde encontrar:
Skoob
Amazon
Ponto Frio

Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook
Siga nosso Instagram: @literaturapessoal

Comments

comments

2 Comment

  1. Olá!
    Primeiramente irei confessar que tenho esse livro faz 3 anos e ainda não li ‘-‘
    Embora eu tenha interesse nele, mas sabe quando você fala “ah, vou deixar pra depois, vou ler esse outro antes.” sou especialista nisso kkk’ e foi o que aconteceu…
    E adorei sua resenha, isso aumentou minha vontade de finalmente tirar esse livro da lista de “não lidos”!

    1. Ei Aline, obrigada!
      Leia sim, é um bom livro com uma história muito rica!

      bjo

Comentários fechados.