Resenha – Convergente (Veronica Roth)

Trilogia Divergente

Sinopse:

A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditara um dia, desmoronou – destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. No poderoso desfecho da trilogia Divergente, de Veronica Roth, a jovem será posta diante de novos desafios e mais uma vez obrigada a fazer escolhas que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor.

O que eu achei:

Pra falar a verdade, não sei nem porquê resolvi escrever essa resenha, como já foi visto aqui e aqui, eu não sou uma grande fã da trilogia Divergente. Eu acho que Veronica Roth até tenta, mas falha ao tentar fazer da Tris uma grande heroína. E em Convergente ela apela feio, apela rude. Mas para fechar o ciclo, vamos lá!

Sempre antes de escrever uma resenha eu dou uma olhada para ver o que o pessoal do skoob achou sobre o livro, principalmente para ver se minha opinião bate com a dos outros leitores, e se existe um consenso entre boa parte dos leitores por lá é que Convergente foi decepcionante. Isso dito por gente que AMOU os primeiros livros, então…

Mas calma! Eu não estou dizendo que a história é ruim única e exclusivamente por causa de como termina (que é o motivo dado por 90% das pessoas que não gostaram do livro), mas sim por causa das respostas que dá. O final, pelo qual todo mundo sofre, eu achei até bom visto meu histórico com os personagens. (E é aqui que vocês podem começar a me xingar).

No primeiro livro eu pensei: Jogos Vorazes, só que pior. No último livro eu pensei: Maze Runner, só que mais besta (e olha que o final de Maze Runner – j e s u s). Sério, eu queria MUITO ter gostado dessa história, peloamordedeus EU LI OS TRÊS LIVROS! Ninguém segue lendo uma história se no fundo não tem pelo menos a menor das esperanças de que ela vai vingar.

Na primeira página de Convergente eu já estava revirando o olho e bufando com Tris repetindo a mesma frase e pensamento que me torturou todo o livro 2. “Will.. meu amigo Will” AFF  misericórdia. Já fiquei tensa pensando no que me aguarda nas próximas páginas. Um trauma é um trauma, mas Roth, me ajuda a te ajudar.

Em Convergente temos um novo ponto de vista, além de Tris, agora podemos saber tudo o que se passa na cabecinha do Quatro (Tobias), o que pra mim, estragou o personagem. Sobre o ponto de vista da Tris, Tobias era forte e heróico, decidido e um líder nato, quando “adentramos” a mente de Tobias percebemos que na verdade ele é um jovem ressentido e ferido pelo passado, completamente dependente da Tris e que só quer viver de “boinha” seu amor. Em contra-partida a gente passa a enxergar a Tris como alguém mais centrada, mais decidida. Ou seja, cada um idealizava o outro de uma forma, sentia o outro de uma forma e quando a gente ia ver, os dois estavam se apoiando no que acreditavam ver e não no que realmente eram. Tempos difíceis pedem medidas desesperadas, por isso Tris e Tobias aparentam ser bem mais forte do que realmente são.

Cheguei a conclusão de que tem ponto de vista = não consigo gostar. Na contra mão de tudo isso, eu finalmente gostei um pouco da Tris.

Aqui também conseguimos descobrir o que existe fora dos muros e a verdade é que eu esperava muito mais. A ideia do que estava acontecendo ali é até interessante, só que é apenas mais do mesmo. Aliás, se alguém souber de uma distopia que aborde um tema diferente, por favor, me indique!

Me desculpe se você gostou dessa trilogia, mas terminando o último livro eu realmente não consigo entender como eles podem ter se tornado um sucesso tão grande, mas quem sou eu pra falar, né? EU LI OS 3 LIVROS MEUDEUS! Eu fiz parte desse sucesso.

Então, resolvi assistir ao segundo filme, Insurgente, pois acho que adaptada para o cinema a história realmente ficou melhor e devo gostar de verdade da Shailene Woodley, isso explicaria o fato de eu não achar a Tris dos cinemas tão insuportável. Eles também deram uma mudadinha no final da história, pelo que me lembro do livro, não sei, fiquei confusa, mas isso me deu esperanças de que outras coisas mudem também!

E sim, eu vou ver o último filme no próximo ano, pois, aparentemente, todo sofrimento pra mim é pouco.

Nota: 2/5
Skoob
Saraiva
Amazon
Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook!

Comments

comments

1 Comment

  1. […] que não funcionou desde o primeiro livro (para ler as resenhas de Divergente, Insurgente e Convergente é só clicar nos respectivos) e Maze Runner que, apesar das inúmeras críticas na época do […]

Comentários fechados.