Resenha – Garota Exemplar (Gillian Flynn)

Garota Exemplar Gillian Flynn

Sinopse:

Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. “Garota Exemplar” alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele?

O que eu achei:

Quando mesmo tendo um spoiler da história você continua se surpreendendo.

Eu sabia determinadas coisas a respeito dessa trama, evitei o filme durante muito tempo, pois já tinha o livro e queria fazer o caminho livro -> filme, mas como a história de Gillian Flynn gerou um grande boom no momento que o filme com Ben Affleck e Rosamund Pike foi lançado, ficou praticamente impossível circular pela áreas pantanosas da internet sem receber um spoiler que, confesso, é significativo no desenrolar da narrativa.

Porém, isso não prejudicou tanto minha experiência com a história e vi meus sentimentos oscilarem entre pena, ódio, compaixão e VOCÊ TÁ DE BRINCADEIRA COMIGO?, que provavelmente era o objetivo inicial da escritora: indignar.

Gone Girl, ou Garota Exemplar, como foi traduzido, conta a história do, aparentemente, perfeito casal Nick e Amy.

Amy é a protagonista de uma série milionária de livros criada por seus pais, intitulada “Amy Exemplar”, vivendo a sombra do personagem criado, ela tenta se distanciar da imagem de perfeição criada por seus pais, buscando ser o mais original possível. Então ela conhece Nick, um jovem jornalista atraente. Que casal!

Garota Exemplar Gillian Flynn

O livro vai intercalando entre capítulos do Nick, no presente, quando se dá conta de que, no seu aniversário de 5 anos de casado, sua esposa sumiu e todos os indícios de sequestro e assassinato apontam que ele é o culpado. E capítulos que são o diário de Amy, contando desde o momento em que ela e Nick se conheceram, até eventos mais recentes na vida do casal.

O que eu achei muito bom é que Gillian Flynn realmente conseguiu criar dois pontos de vista da mesma história, e isso me mostrou como somos passíveis de sofrer influência dependendo de quem nos conta a história, isentando a pessoa de boa parcela da culpa, transferindo para o outros todas as culpas de um relacionamento fracassado. Não é assim também na vida real? Uma amiga termina um relacionamento, você ouve a história dela, ela é a pobre coitada, imediatamente transformamos a outra pessoas na inquisidora de tanta dor. Fim. É exatamente isso que Gillian faz de forma magistral no seu livro.

Quando acompanhamos a história pelos olhos de Nick a gente pensa: coitado! Até que, não sendo trouxa, percebe-se que tem alguma coisa errada com esse cara. A princípio a narrativa de Amy também demonstra o quanto ela é uma pessoa bacana, o quanto ela se esforça para ser liberal e o menos neurótica o possível no relacionamento. Ambos estão tentando convencer o leitor de que são as vítimas.

Garota Exemplar Gillian Flynn

Aí Nick faz uma besteira e você odeia ele. Então você descobre que Amy é completamente louca, acaba odiando ela e tendo um pouco de pena do Nick. Até perceber que esses dois não merecem nenhum pingo do seu sentimento e você apenas aceita que eles tinham mais é que se lascar inteirinhos juntos mesmo, abraçadinhos.

Achei a história muito bem construída e dizem que esse nem é o melhor livro de Gillian! Eu recomendo a todos a leitura.

Vi o filme depois e ele é uma boa adaptação da história, consegue se manter fiel a trechos importantes, mas é só no livro que a gente consegue ter uma noção maior dos sentimentos, da personalidade e emoções dos personagens. Porém isso é realmente comum pra mim, vocês podem ter experiências diferentes.

Garota Exemplar Gillian Flynn

Rosamund Pike ficou fantástica no papel de Amy, e Ben Affleck traduziu bem o jeitão blasé de Nick. O filme é um bom complemento ao livro e nos ajuda a visualizar melhor o casamento extremamente perturbador dos nossos protagonistas. Leia, assista e depois me diga o que achou 🙂

Nota: 4/5
Skoob
Casas Bahia
Livraria Cultura

Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook!

Comments

comments

7 Comment

  1. Eu vi o filme primeiro e só depois de vários meses fui ler o livro. Acabou que eu não me lembrava de coisas muito importantes e me surpreendi tudo de novo com o livro. Adorei!

    1. hahahahaha Aí sim! Vivendo as mesmas emoções duas vezes 🙂

  2. mavico04 says:

    Li o livro e corri para o filme. O filme é bem pobre em relação ao livro. Aaaaamo a construção dos personagens! Amo a narrativa! Amo a forma como, por vezes, me reconheci pontualmente no senso de justiça meio deturpado da Amy. Mas acho que, da terça parte para o final o livro dá uma acelerada que… caramba! Foge da linearidade do restante da trama. Mas nada demais. Acho um ótimo livro. Alan está lendo bem agora!

    1. Você achou o filme tão ruim mesmo? Eu até achei ok, acho que eles seguiram bem a história, mas os personagens são mais cruéis e loucos no livro.
      Boa leitura pro Alan! Saudade de vocês ☺️

  3. Comecei a ler o livro mais não terminei. Espero conseguir pois o enredo me parece interessante.

    1. Ei Vanessa, termine de ler sim!
      A história continua tendo reviravoltas até o fim, vale a pena 🙂

      bj

  4. […] criativos quanto Amy, e tão frios quando Kevin, o Liberdade 5 torna a vida de Barbara um inferno na terra e não sente […]

Comentários fechados.