Resenha – Harry Potter e a Criança Amaldiçoada (J.K. Rowling)

Foto da www.gabydahmer.com
  • Foto do livro retirada do blog www.gabydahmer.com

Deus ajude que agora essas resenhas saem todas!

Sinopse:

Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é mais fácil agora que ele é um sobrecarregado funcionário do Ministério da Magia, marido e pai de três crianças em idade escolar. Enquanto Harry lida com um passado que se recusa a ficar para trás, seu filho mais novo, Alvo, deve lutar com o peso de um legado de família que ele nunca quis. À medida que passado e presente se fundem de forma ameaçadora, ambos, pai e filho, aprendem uma incômoda verdade: às vezes as trevas vêm de lugares inesperados.

Harry Potter e a criança amaldiçoada é a edição impressa do roteiro de ensaio da peça escrita por J.K. Rowling em parceria com Jack Thorne e John Tiffany, que está em cartaz em Londres e se passa 19 anos após os acontecimentos narrados em Harry Potter e as Relíquias da Morte.

O que eu achei:

Como uma boa fã de Harry Potter eu dei aquela pequena surtada com o lançamento desse livro, e apesar dessa resenha tão tardia, para registro no blog, o li logo que ele foi lançado.

Acho que a primeira e mais sincera opinião que posso dar a respeito é que essa história não faz falta. Pra mim, e digo isso como uma opinião muito particular com a qual você obviamente pode discordar, é mais um fan service, o que nunca é de todo ruim, é claro. Entendam bem a diferença: a história não acrescenta algo “novo” ao universo, só re-visita personagens e histórias com as quais a gente se afeiçoou tanto.

Uma coisa que, pelo menos para mim, faria total diferença é se o livro tivesse sido adaptado para um romance, e não apenas entregar o roteiro impresso da peça. Senti muita falta de descrições melhores de lugares, ações e emoções, pequenos detalhes estes, tão presentes nos 7 livros de Harry Potter. Não por menos, alguns fãs disseram já ter lido fanfics melhores (RISOS).

Um outro problema no livro talvez seja a falta de empatia do personagem principal: Alvo Potter. Como a gente vai simpatizar com o filho que odeia o pai, que na real é o único motivo pelo qual compramos o livro? Se por um lado, Alvo é tudo aquilo que não esperamos que ele seja, seu melhor amigo, Scorpius Malfoy me conquistou totalmente!

Sim, o filho do antigo inimigo, tornou-se o melhor amigo do filho (?!?!). Alvo culpa o pai pela morte de Cedrico e resolve “trazer Cedrico de volta”, pois o garoto não merecia morrer por culpa do pai, de posse de um raro vira-tempo, Alvo e Scorpius voltam aos dias do Torneio Tribruxo e tentam ajudar Cedrico. Obviamente essas viagens no tempo causam alterações no presente e despertam antigas forças.

Mas o livro é isso, uma volta aos acontecimentos do Torneio, um vislumbre da história antiga por um outro ângulo, com uma vilã pouco convincente e um desfecho bem bobinho, pra falar de forma suave.

No mais, não é possível reconhecer os personagens que mais amamos: Harry é ainda mais imaturo e inseguro do que quando jovem, Hermione tão inteligente e sagaz, se deixa enganar por crianças, Rony envelheceu, mas o cérebro é o de uma criança de 8 anos que só quer fazer piada, e Gina consegue ser ainda mais figurante do que nos primeiros 7 livros, mesmo sendo a mãe do personagem principal.

Um livro feito para ganhar dinheiro e que, sem dúvidas, cumpriu seus propósitos.

Nota: 2/5

Onde encontrar:
Skoob
Amazon

Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook
Siga nosso Instagram: @literaturapessoal

Comments

comments