Resenha – Morte Súbita (J.K. Rowling)

Foto do www.cantinadolivro.com.br
Foto do www.cantinadolivro.com.br

Sinopse:

Quando Barry FairBrother morre inesperadamente aos quarenta e poucos anos, a pequena cidade de Pagford fica em estado de choque.

A aparência idílica do vilarejo, com uma praça de paralelepípedos e uma antiga abadia, esconde uma guerra.

Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra com seus pais, esposas em guerra com os maridos, professores em guerra com os alunos, Pagford não é o que parece ser à primeira vista.

A vaga deixada por Barry no conselho da paróquia logo se torna o catalisador para a maior guerra já vivida pelo vilarejo. Quem triunfará em uma eleição repleta de paixão, ambivalência e revelações inesperadas? Com muito humor negro, instigante e constantemente surpreendente, Morte Súbita é o primeiro livro para adultos de J.K. Rowling, autora de mais de 450 milhões de exemplares vendidos.

O que eu achei:

Esse foi o primeiro livro da J.K. Rowling que eu li após Harry Potter (aliás reler Harry Potter e fazer resenhas: sim ou não?)

Confesso que pra mim a leitura foi bem arrastada, eu não consegui entrar no clima do livro durante toda a leitura e cheguei, inclusive, a trocar o livro pelo skoob depois que terminei. Devo admitir que isso pode ter acontecido principalmente porque fiquei o tempo todo comparando a história de Morte Súbita com Harry Potter, o que não faz o MENOR sentido. Deve ser por causa de leitores meio doidos assim, tipo eu, que Rowling começou a escrever outros livros com pseudônimos, para não sofrer esse tipo de preconceito bobo.

Mas, depois de um tempo, e de “maturar” a história, confesso que acabei me afeiçoando a ela e fiquei um pouco arrependida de abrir mão do livro. Acredito que se tivesse a oportunidade de reler essa história hoje em dia, acharia ela muito mais interessante e daria mais valor. Livros tem disso, não é mesmo?

Tudo começa exatamente como diz o título: com a morte súbita de Barry Fairbrother. A história se passa no pequeno vilarejo de Pagford, que apesar do clima bucólico esconde diversos conflitos familiares e um cenário político em pé de guerra.

Quando Barry morre, um lugar no conselho da cidade fica vago e assim começa a disputa para saber quem irá ocupá-lo. De um lado, aqueles que querem desvincular um bairro periférico da cidade, resguardando a escola e os serviço públicos apenas para o s moradores de Pagford, do outro aqueles que acreditam que a inclusão dessas crianças oferece um caminho para que elas tenham uma vida melhor e mais digna. O lado que conquistar a vaga, terá mais força para impor sua vontade.

Entre brigas de família, brigas políticas e brigas ideológicas a história de Morte Súbita vai sendo moldada. Famílias destruídas pelas drogas, pelo abuso, pela violência doméstica e até mesmo pelo descaso, são as que fornecem os personagens para essa narrativa.

E quando mensagens com segredos começam a ser publicados no site oficial de Pagford, antigos conflitos passam a mover uma verdadeira disputa dentro da comunidade. Todo mundo adora uma fofoca, mas e quando ela pode destruir tudo aquilo pelo qual você lutou?

O livro mostra o lado mesquinho das pessoas e como elas não conhecem nem mesmo os familiares mais próximos. Todo mundo tem segredos, então, alto lá antes de revirar os segredos alheios.

O livro foi adaptado para uma mini-série com o nome “The Casual Vacancy”, nome da obra em inglês, e tem apenas 3 episódios.

Vou assistir a série e, quem sabe, depois leio novamente o livro para tirar essa impressão esquisita que eu tive.

Trailer:

 

Nota: 3/5 (na época)
Skoob
Fnac

Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook!

Comments

comments

1 Comment

  1. mavico04 says:

    Senti exatamente o mesmo que você com relação ao livro.

Comentários fechados.