Resenha – Os Defensores (Netflix)

Começo dizendo que, sim, sou uma grande fã de filmes de heróis, e mesmo aqueles que são duramente/injustamente criticados, eu gosto de ver, pois encaro a categoria como uma boa opção de entretenimento e diversão (menos Esquadrão Suicida, esse não gostei mesmo rs).

Também preciso contextualizar vocês dizendo que sou muito fã das séries com os heróis da Marvel produzidas pela Netflix, pelo menos duas delas: Demolidor e Jessica Jones. Eu até assisti Luke Cage, mas devo confessar que não me agradou muito, é como se o personagem conseguisse se sustentar sozinho ao longo de vários episódios, outra coisa de Luke Cage é que o vilão acaba sendo mais interessante que o desenvolvimento do herói, fenômeno que acontece também um pouco em Jessica Jones, pois Kilgrave foi fundamental para a primeira temporada ter sido tudo o que foi. Punho de Ferro eu nem vi, a série foi tão criticada online que eu acabei deixando pra depois e o depois nunca chegou. O que vocês acham? Ainda devo ver?

Mas estava ansiosa por Os Defensores, queria ver como todos iam se encontrar e como seria a relação deles, já que, pelo menos os 3 heróis que eu vi a história independente, tem, aos seus modos, dificuldades em lidar com intimidade.

Gostei que a série começa exatamente onde as temporadas individuais terminaram. Isso é problema para quem não viu nenhuma das outras séries? Bom, provavelmente. Já que os vilões estão caminhando por todas elas, acho que a única história independente REAL é da Jessica Jones que teve um vilão muito específico. Aliás ( 😉 ), Jessica Jones foi tudo o que eu esperava: ácida, impaciente, doida pra dar o fora, porém seu “bom” coração (coisa de herói), faz com que ela continue voltando para o grupo.

Li faz um tempo as HQs da Jessica Jones e achei MARAVILHOSO que o primeiro encontro entre ela e Matthew (Demolidor) acontece, na série, da mesma forma que nos quadrinhos. O Demolidor segue aquela batalha interna de abandonar o uniforme e se aproximar das pessoas que ama, ao mesmo tempo que ama ser o Demolidor.

Luke e Clare, conhecidos como o casal mais sem graça da Marvel (mentira, porém sério), estão tentando seguir adiante, agora que Luke terminou de cumprir sua pena. E o Punho de Ferro, bom, eu não vi a temporada dele, mas pude perceber que muito da história de Os Defensores vem da linha narrativa dele. Porém, não ver Punho de Ferro não foi um impeditivo para entender o rumo da história e como eles chegaram até aqui.

Sequência de luta em um corredor: temos!

Quanto a química entre os personagens, é como se ela demorasse para aparecer, sendo que Demolidor e Jessica Jones combinam logo entre si, Luke também consegue segurar bem o entrosamento do grupo, o que faz com que Danny Rand (o Punho de Ferro) pareça perdido por ali, mais atrapalhando do que ajudando o grupo.

Na verdade, achei Danny Rand tão chato que isso me desanimou ainda mais de assistir a série do herói. Se em grupo já era chato acompanhar a maior parte das vezes que ele aparecia em tela, imagina uma série só dele!!! Ufa!

O grupo de vilões é muito interessante, e claro, como o trailer revelou, temos a volta de Elektra, como o Black Sky.

A série tem boas cenas de luta, coreografadas e aproveita pra reunir todo o elenco de coadjuvantes das séries independentes. Eu esperava mais interação entre eles, mas infelizmente não aconteceu.

Se a série demora para engrenar o fim é cheio de impacto, tanto que assistimos o último episódio sem saber que era o último e ficamos: COMO ASSIM ACABOU?

E você, já assistiu Os Defensores? Qual seu herói favorito?

Comments

comments

Deixe uma resposta