Resenha – Perto do Coração Selvagem (Clarice Lispector)

Eu sou uma grande fã de Clarice Lispector, tempos difíceis para se dizer isso já que ela ficou “conhecida” pelas citações no Facebook, muitas das vezes, com textos que nem mesmo são dela. Isso virou meme e devo admitir que os uso bastante (risos). Então todo fã de Lispector está fadado a piadas e prejulgamentos (assim como os de Caio Fernando de Abreu).

Eu já li algumas obras dela, livros de crônica, de entrevistas, de cartas e alguns dos seus romances, mas tudo meio perdido, um lá e outro aqui, senti que talvez seria a hora de me aprofundar mais. Por isso resolvi começar esse projeto que nomeei como “Lendo Clarice“, nele pretendo ler em ordem cronológica de publicação todos os livros da autora. Começamos hoje com Perto do Coração Selvagem, romance de estreia de Lispector, publicado em 1943.

Perto do Coração Selvagem

Sinopse:

Em Perto Do Coração Selvagem, Clarice narra a história de Joana, uma moça que logo fica órfã de pai e mãe, e que desde sempre tem o costume da introspecção.

A narrativa do romance é quebrada, feita de flashbacks da memória da personagem principal, que se fundem com seu dia-a-dia, com os diálogos com os outros personagens. Diálogos que não aparecem muito durante a leitura, mas que sempre deixam a sensação de serem monólogos, devido ao fato de Clarice jamais abandonar a percepção da mente do personagem frente a palavras e meios externos.

O que eu achei:

Todas as vezes que estive com um livro de Clarice nas mãos, tinha a sensação de que precisava respirar fundo e me preparar antes de começar a leitura. Não é fácil avançar pelos parágrafos e páginas, é sempre tudo muito denso, recheado de sensações.

É difícil explicar como reajo a escrita dela, mas o tempo todo sou levada a sentir o que está nas páginas, é mais do que apenas visualizar uma cena, ou reconhecer situações, é ser inserido dentro da cabeça de um personagem de forma tão poderosa que já não dá pra dividir o que é ele sentindo e o que é você relembrando.

Citação Perto do Coração Selvagem

Em Perto do Coração Selvagem é exatamente assim, esse é um daqueles livros em que eu sinto que preciso me dedicar 100%, não pode haver divagações na leitura, qualquer pensamento solto e pronto, é como se a gente perdesse a essência do que está sendo escrito.

Estou parecendo louca? Toda vez que leio Clarice me sinto meio louca, meio aérea, como se as palavras simplesmente brotassem (acho que ela já disse ou escreveu algo assim, ou foi apenas uma outra “falsa citação” que vi no Facebook).

Citação Perto do Coração Selvagem

Acompanhar a história de Joana é um redescobrimento das próprias emoções, e justo ela que parece tão habituada a tudo. Hoje em dia as pessoas classificariam Joana como blasé, ou seja, aquela pessoa apática, indiferente a tudo, ela também tem essa percepção de si mesma, apesar de sua cabeça dar milhares de voltas ao reagir a uma mesma ação, uma hora está aqui, na outra já foi muito longe, mas por fora, por fora é a máscara que não deixa ninguém ver nada.

Sua apatia permite Joana ser sincera em momentos nos quais não se espera isso dela, por fim, o mesmo dom que acaba por afastar dela as pessoas, acaba também cativando.wp-1460503942303.jpg

Não é um livro grande, mas é cheio de significados e sentimento, como tudo escrito por Clarice, suspeito. Não sei se é exatamente um ótimo livro para iniciar a leitura da autora, mas é como pretendo levar esse projeto. O próximo livro será “O Lustre”, publicado em 1946. Alguém já leu? Algum conselho?

Leia Clarice você também 🙂

 

Nota: 3/5
Skoob
Amazon
Saraiva

Curta a página do Literatura Pessoal no Facebook!

Comments

comments

3 Comment

  1. oiii! Prazer conhecer uma leitora de Clarice, não que eu seja uma assídua leitora dessa, mas comecei a ter um “leve” interesse por ela ao ler uma crônica a qual não me lembro o nome em um livro didático meu, era de uma garota que se apaixonava por um basset, depois disso comecei a perseguir a sua vida por aí…. nunca li nenhum livro dela, apenas crônicas as quais gostei bastante….
    Ps: Você deveria ter exagerado um pouco mais na sinopse, fiquei curiosa e gostaria de saber mais um pouco, já ouvi falar desse livro, quer dizer ouvi o titulo mas nunca me interessei mas lendo você contar assim deu vontade.
    🙂

    1. Ei Andreza, também conheci Clarice por suas crônicas, mas esse da menina que se apaixonada pelo basset nunca tinha lido, procurei aqui e foi fácil encontrar. Adorei!
      A sinopse era maior, mas achei que entregava muito do livro, por isso preferi reduzir. Obrigada pela visita e comentário, leia sim um livro dela, A Hora da Estrela é maravilhoso <3
      Beijo

      1. Vou ler sim!
        🙂
        Pelo que entendi da crônica há 6 anos atrás era isso mesmo, um tipo de paixão platônica entre ela e o bichinho, vou lê-la novamente….
        Lembrando do desenho que ilustrava a crônica…. :, -(

Comentários fechados.